24 fevereiro 2008

QUEM NÃO TEM CÃO CAÇA COM GATO!


No meio das toneladas de lixo com que os meus amigos entendem por bem atafulhar a minha caixa de correio, aparecem, ainda que raramente, algumas pérolas pelas quais vale a pena ter o trabalho de enviar todas as outras direitinhas para o lixo. A última foi a foto que acompanha este texto. Confesso que me ri a bandeiras despregadas.
Lembrei-me, ao vê-la, de um episódio rocambolesco que metia também uma cadeira. Há muito tempo, tanto que já lhe perdi a conta, no meu círculo de amigos havia um que tinha o infeliz hábito – infeliz e irritante, diga-se – de distribuir cumprimentos. Fazia-o, dando-nos arreliadoras palmadas nas costas, tal como hoje, estupidamente, o fazem os jogadores de futebol, nas cabeças dos colegas bem sucedidos. Enfim, o regresso às cavernas. Voltemos ao abusador. Talvez porque o seu estatuto económico fosse bem mais elevado que o dos restantes – na altura tinha já um emprego especializado que lhe rendia um ordenado acima da média, ao passo que os outros ou frequentavam ainda a escola, ou tinham um emprego mais precário, ou nem uma coisa nem outra – achava ele, que nós, os tesos, devíamos prestar-lhe vassalagem. O vil metal a isso nos obrigava e, se bem que não apreciássemos aquele peculiar modo de cumprimentar, lá o íamos aturando, afastando, sempre que possível, os nossos prezados espinhaços das suas manápulas. Mas lá chegou a altura em que a sua sorte mudou. Um dia, estávamos nós calmamente conversando – sobre a vida, quem sabe – quando chegou o nosso amigo capitalista, começando, de imediato, a distribuir cumprimentos. Mas, ou porque não estivesse em dia sim ou porque estivesse já saturado de cumprimentos tão efusivos, um dos da roda, tão logo recebeu a palmada no costado, levantou-se, como que impulsionado por uma mola, amarrou na cadeira que em que estava sentado e, com incontida raiva, fê-la voar de encontro às espáduas do amigo. Naquele momento o destemido foi o nosso herói. Fez o que todos, há muito, desejávamos fazer. Quanto ao abusador, foi remédio santo: mudou de cumprimento e, paulatinamente, foi-se afastando do grupo. Enfim, digamos que se mataram dois coelhos de uma cajadada só ou, melhor dizendo, de uma cadeirada.
Agora, vendo a fotografia, sou levado a concluir que a serventia de uma cadeira pode ser bem menos prosaica do que descansar o traseiro ou assestá-la na lombada de um amigo abusador: traçar, com rigor, o gráfico de uma função afim.

3 comentários:

as-nunes disse...

Também se pode traçar um segmento de recta para representar só ou em conjunto alguma figura geométrica e/ou matemática, usando uma folha de papel dobrada.
Às vezes até dava mesmo para desenrrascar.
Mais uma demonstração do que a corrente contínua do pensamento e a consequente associação de ideias consegue!...
Boa semana, caro amigo
António

Anónimo disse...

Uma cadeira!? sempre é melhor que um quadro interactivo que não funciona. E tudo isso por causa desses pseudo-informáticos. EhEhEh
cpbom

olho_azul disse...

O que é preciso é ser-se idiota (entenda-se homem de grandes ideias)!
E se pensarmos que muitas vezes os professores não têm o material para as suas aulas, cadeira é coisa que (ainda) não falta nas nossas escolas!

Beijos