27 outubro 2007

DE BUDAPESTE - MARTE, COM AMOR...

Todas as semanas, a TSF convida uma figura pública para partilhar com os ouvintes as músicas que, de qualquer maneira, a tenham marcado, à figura, entenda-se. O programa tem um nome modernaço, bem ao nível do choque tecnológico: “A playlist de…”. De quando em vez, durante qualquer um dos meus pequeninos trajectos da hora do almoço – o programa é transmitido durante a semana a partir da uma da tarde –, ligo a TSF e “espreito” os gostos musicais do pessoal que “conta”. Algumas vezes delicio-me com as justificações do convidado pela escolha da música que se vai seguir, outras, fico a pensar que a personagem deveria divulgar tão só o nome da música, calar-se muito caladinho e carregar no botão sem mais delongas. O convidado desta semana é a metralhadora falante, também conhecido por Rogério Alves. Pelo genérico do programa vê-se que o causídico é do género Pink Floyd / Dire Straits, mas foi sobre um outro grupo musical que contou uma história extraordinária. Foi, mais ou menos assim: quando viu um disco, já não sei qual, dos Renaissance foi amor à primeira vista e, vá lá saber-se porquê, disse para os seus botões: “Tenho de possuir este disco, dê por onde der!”. E então começa uma verdadeira aventura. Procurou-o por cá, por tudo quanto é sítio e não o encontrou, procurou-o em Nova Iorque e não o encontrou, procurou-o em Londres e não o encontrou, procurou-o em Roma e não o encontrou – o programa não permite interactividade com os ouvintes já que nem sequer é em directo se não, naquele momento, contactava a TSF e aconselhava-o a procurar em Ouagadougou, encontrava-o de certeza –, até que um dia, estando em Budapeste, passou por uma loja daquelas que vende de tudo, livros e outras quinquilharias e diz-lhe a Joana – a Joana é a senhora sua esposa e ele diz Joana como se eu e todos os ouvintes a conhecêssemos desde sempre e todos os dias privássemos com ela –, “Devias procurar aqui, nunca se sabe…”. Claro que o jurisconsulto não deu ouvidos à pobre da Joana – era mesmo em Budapeste, e ainda por cima no meio de quinquilharia, que ia encontra a banda dos meus sonhos. Num dos dias seguintes, o destino – bom, não me recordo já se foi o destino ou outra coisa qualquer mas para o desenrolar da história isso é um pormenor de somenos – fê-lo passar novamente pela tal loja. Aí, achou que algo o guiou por esse caminho e entrou. E não é que no meio dos budas e dos relógios contrafeitos encontrou o disco dos Renaissance que tinha já procurado em meio mundo!
A história do Doutor Alves teve um final feliz e tenha a certeza que, naquela hora, todos os ouvintes, solidariamente, respiraram de alívio por, finalmente, ter encontrado o disco dos Renaissance mas o que mais me impressionou no letrado foi ele dizer que encontrou o disco em Budapeste como se o tivesse realmente encontrado em Marte, numa qualquer loja de esquina. Depois desta história lúgubre fiquei sem vontade de ouvir os Renaissance e mudei de estação.
Agora, sempre que passar por uma loja de chineses, vou-me lembrar da loja de Budapeste e não conseguirei entrar, ainda que na montra anunciem um Rolex ao preço da uva mijona e sempre que o disc jockey anunciar os Renaissance vou-me lembrar da história triste do Rogério Alves e ficarei sem vontade de os ouvir.

1 comentário:

citadinokane disse...

Carlos,
Estou louco para ouvir o Renaissance... E quando escutá-lo, lembrar-me-ei da história que contaste do Rogério Alves.
Abraços,
Pedro