23 abril 2007

PARA O LEANDRO


“Lembro-me […] das tempestuosas prelecções que o Leandro recebia do tio, que terminavam em bofetadas […] de cada vez que topavam com uma palavra abstrusa que o pobre moço […] nunca conseguiu dizer correctamente. A aziaga palavra era «acelga», que ele pronunciava «a cega». Berrava-lhe o tio: «acelga, meu burro, acelga!», e o Leandro, já à espera da estalada, repetia: «A cega.» Nem a agressão de um nem a penosa angústia do outro valiam a pena, o pobre rapaz, ainda que o matassem, sempre haveria de dizer «a cega».”

As Pequenas Memórias, José Saramago


Para todos os Leandros que, apesar de terem aprendido a ler à bofetada, não perderam o amor aos livros.

2 comentários:

Jofre Alves disse...

Vim deixar um abraço com o desejo de uma boa semana.

olho_azul disse...

Porque um livro é um amigo e os amigos devem ser preservados!
Um abraço