25 abril 2009

ABRIL


Nestes dias de raiva em que um primeiro-ministro, quase de uma assentada, processa nove jornalistas porque não gosta do que escrevem;
Nestes dias de cólera em que um mangas-de-alpaca suspende um funcionário porque viu, na anedota que contou, matéria susceptível de melindrar o chefe;
Nestes dias de fúria em que vemos a polícia entrar por uma escola adentro para fazer perguntas “indiscretas” sobre a próxima manifestação;
Nestes dias de ira em que se exonera um director porque não mandou retirar um cartaz onde um seu subordinado tinha escrito uma frase proferida por um ministro e, pasme-se, considerada ofensiva para o mesmo;
Nestes dias de chumbo em que sinto estarmos, ordeiramente, entrando num gigantesco panopticon, trinta e cinco anos depois de Abril, lembrei-me, sabe-se lá porquê, do Chico Buarque:

Lá faz primavera, pá
Cá estou doente
Manda urgentemente
Algum cheirinho de alecrim

2 comentários:

Ferrreira disse...

Mais uma vez concordo absolutamente contigo. Tu e a tua perspicácia e poder de observação... Pois é Carlos, numa destas pesquisas de opinião via net, até opinei favoravelmente sobre a inauguração de uma qualquer praça Salazar em Santa Comba, no dia 25 de Abril... temos que engolir cada sapo... É que eu acho que o nosso primeiro está a trabalhar de forma incansàvel para transformar o supracitado num democrata!
Ou nunca te passou pela cabeça, que não fora a força dos media e da melhor formação e educação ( mesmo com os profs que temos... eheh )da populaça, estamos na presença de alguém capaz de muito piores atropelos à liberdade do que o "Botas"? Grande abraço e continua a fazer coisas boas...

Marinho disse...

Está muito bem Carlos Ponte.
Não te acauteles e depois espera pela avaliação.