01 maio 2006

DIA DO TRABALHADOR

...

Que quem já é pecador
sofra tormentos, enfim!
Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!…
Porque padecem assim?!…

E uma infinita tristeza,
uma funda turbação
entra em mim, fica em mim presa.
Cai neve na Natureza
– e cai no meu coração.

Augusto Gil

1 comentário:

citadinokane disse...

Carlos,
Os versos tocam profundamente, juntamente com a fotografia.

E imediatamente, me vem a mente as linhas escritas por Nikos Kazantzakis, escritor grego, que testemunhou desde pequeno situações de violência, opressão e injustiça que acabaram marcando profundamente sua vida e obra. "Os irmãos inimigos", livro publicado postumamente, é considerados por muitos críticos como o testamento do autor. Mas, vamos as linhas de Kazantzakis no romance acima citado:
"Prendi uma mulher pelo pescoço e empurrei-a para a fila a pontapés. Levava uma criança no colo. O marido dela está do lado dos rebeldes. Ela se virou e olhou para mim: jamais, por mais longa que seja a minha vida, hei de esquecer aquele olhar. Todo o bem que possa vir a fazer não será suficiente para me dar repouso. Ela não abriu a boca, mas senti dentro de mim um grito muito forte: 'Você não se envergonha, Leônidas, de cair tão baixo?' Fiquei paralisado: - Envergonho-me, sim - murmurei -, mas sou soldado, não gozo mais de liberdade, deixei de ser homem, perdoe-me! - A mulher, entretanto, não respondeu. Erguendo bem alto a cabeça, apertou a criança nos braços e entrou na fila. 'Se ela pudesse', pensei, 'atear fogo no quartel, queimaria todos os vivos. Seu filho nunca mais será amamentado com leite: só com o ódio, o desprezo, a vingança. Quando crescer, ele se reunirá aos rebeldes. E o que o pai e a mãe não conseguiram fazer, ele então fará. Pagaremos caro nossa injustiça."(p.95)

Carlos, que possamos refletir sobre o mundo no qual vivemos... Que nos cobra ações efetivas...

Um abraço,
Pedro